You are using Internet Explorer 11 or earlier, this browser is no longer supported by this website. We suggest to use a modern browser.

Nov 18, 2021 8:00 AM

thyssenkrupp: principais indicadores financeiros com grande melhora no ano fiscal 2020/2021; progresso na transformação para um grupo de empresas de alto desempenho

  • Entrada de pedidos, vendas e EBIT ajustado no ano fiscal 2020/2021 muito mais elevados do que no ano anterior enfraquecido pela pandemia

  • Melhor desempenho: todos os segmentos com aumentos significativos nos lucros

  • Progresso bem-sucedido com medidas relacionadas ao portfólio do segmento Multi Tracks

  • Previsão para o ano fiscal atual: melhoria no EBIT ajustado de €1,5 a 1,8 bilhão; lucro líquido de pelo menos €1 bilhão e ponto de equilíbrio no fluxo de caixa livre antes de M&A

  • CEO Martina Merz: “Após dois anos de intenso trabalho de transformação, agora podemos dizer que a reviravolta é evidente e que a thyssenkrupp está caminhando na direção certa. No entanto, permanecem enormes desafios.”

A thyssenkrupp está fazendo um progresso significativo em sua transformação em um grupo de empresas de alto desempenho: no ano fiscal 2020/2021, a empresa deu passos estratégicos importantes e alcançou melhorias operacionais tangíveis em comparação com o ano anterior enfraquecido pela pandemia. Entre outubro de 2020 e setembro de 2021, o grupo de empresas registrou uma entrada de pedidos de €39,6 bilhões, o que foi um aumento de 41%. As vendas melhoraram 18% para €34 bilhões. O EBIT ajustado aumentou para €796 milhões (ano anterior: €(1,759) bilhão). Todos os segmentos contribuíram para este desenvolvimento positivo com melhorias substanciais nos lucros em alguns casos. Em particular, os negócios de materiais lucraram com o aumento dos volumes e preços. Como resultado, a thyssenkrupp atingiu a extremidade superior da faixa de previsão de lucros revisada para cima em maio.

Martina Merz, CEO da thyssenkrupp AG: “Depois de dois anos de intenso trabalho de transformação, podemos agora dizer que a reviravolta é evidente. A thyssenkrupp está indo na direção certa. Nosso desempenho está melhorando significativamente, o que se reflete em nossos números. Pretendemos nos beneficiar deste impulso na próxima fase de nossa transformação, a fim de restaurar o crescimento lucrativo de nossos negócios. No entanto, permanecem enormes desafios, especialmente devido à escassez de semicondutores e às incertezas decorrentes da pandemia de coronavírus.”

 

Previsões otimistas para o atual ano fiscal

Tendo como pano de fundo a recuperação macroeconômica e a expectativa contínua de melhorias estruturais em seus negócios, a thyssenkrupp está otimista para o ano fiscal 2021/2022. As incertezas e as restrições resultantes na confiabilidade do planejamento existem principalmente em relação à evolução dos gargalos de fornecimento para semicondutores e outros produtos iniciais. Isso resultará em dificuldades temporárias no ano fiscal atual. As vendas do grupo devem crescer em uma porcentagem de um dígito médio no ano fiscal de 2021/2022. O EBIT ajustado está previsto para cerca do dobro em relação ao ano anterior, para um valor entre €1,5 e 1,8 bilhão. Este número inclui uma melhoria significativa nos ganhos da Steel Europe e uma perda substancialmente menor na Multi Tracks. A thyssenkrupp espera um lucro líquido de pelo menos €1 bilhão, que seria o maior desde o ano fiscal 2007/2008. Com mais despesas para reestruturação e uma continuação do alto nível atual de gastos de capital em áreas futuras para a thyssenkrupp, o fluxo de caixa livre antes de M&A deve aumentar significativamente, próximo ao ponto de equilíbrio.

Klaus Keysberg, CFO da thyssenkrupp AG: “Nossa implementação consistente de medidas de desempenho e portfólio está surtindo efeito. Queremos usar esse impulso. Rentabilidade sustentável e um fluxo de caixa estável e positivo são as métricas de desempenho pelas quais queremos ser medidos. Estamos confiantes de que podemos chegar perto dessas metas no atual ano fiscal.”

Progresso no portfólio e medidas de desempenho

No ano fiscal passado, conforme anunciado, a thyssenkrupp tomou decisões importantes no segmento de Multi Tracks e, portanto, avançou no redirecionamento de seu portfólio. Em julho, foi assinado o acordo de venda do negócio de Mineração; a venda da unidade Infrastructure foi acertada logo em seguida. Em agosto, a unidade de negócios Carbon Components foi vendida. Por último, a thyssenkrupp concordou com a venda da planta italiana de aço inoxidável AST em setembro. Outra medida do portfólio foi o fechamento da planta de chapa grossa em Duisburg, que ocorreu conforme planejado no final do último ano fiscal.

Na Uhde Chlorine Engineers (UCE), a thyssenkrupp vê um grande potencial no campo da eletrólise da água e tem como objetivo se beneficiar da alta demanda por hidrogênio verde. Por isso, a empresa busca intensamente a melhor forma de otimizar o negócio de hidrogênio. A thyssenkrupp está atualmente planejando uma oferta pública inicial (IPO) como a solução preferida e manteria a participação majoritária no negócio.

Além de fazer investimentos direcionados para melhorar a competitividade de seus negócios, a thyssenkrupp também avançou nos ajustes necessários em sua força de trabalho. Dos mais de 12.000 empregos que devem ser reduzidos até o ano fiscal de 2023/2024, a thyssenkrupp encontrou soluções socialmente aceitáveis para cerca de 7.800 colaboradores. Muitos deles receberam ajuda para um novo emprego.

Oliver Burkhard, CHRO e Diretor de Recursos Humanos da thyssenkrupp AG: “Embora este seja o maior programa de reestruturação da história da thyssenkrupp, estamos tratando nossos colaboradores de maneira consistente, com responsabilidade e decência - e continuaremos a fazê-lo. Nosso pessoal e suas habilidades são cruciais para o sucesso da thyssenkrupp. Quanto mais progredimos em nossa transformação, mais seremos capazes de nos concentrar nas questões que facilitam a inovação e o crescimento, inspiram nosso pessoal e atraem talentos de fora da empresa.”

 

Desenvolvimento nos segmentos no ano fiscal 2020/2021

Ao longo do ano, a Materials Services se beneficiou do grande aumento da demanda e dos preços mais altos dos materiais. A entrada de pedidos aumentou 29% e as vendas 24%. Em €587 milhões, o EBIT ajustado também foi significativamente acima do nível do ano anterior de €(85) milhões. Além de volumes e preços, as medidas de inovação e otimização iniciadas - especialmente nas áreas de digitalização e automação - impactaram positivamente a margem do segmento.

A Industrial Components registrou aumento na entrada de pedidos e nas vendas em 22% e 20%, respectivamente. Os rolamentos viram um crescimento no setor de máquinas de construção, em particular. No entanto, os outros segmentos de mercado também se recuperaram da queda na demanda no ano anterior. A Forged Technologies experimentou uma recuperação significativa em todas as áreas de aplicação. Em €322 milhões, o EBIT ajustado no segmento Industrial Components foi substancialmente maior do que no ano anterior (€139 milh��es).

A Automotive Technology também se beneficiou de uma recuperação do mercado. A entrada de pedidos e as vendas aumentaram 11% depois que os clientes foram forçados a interromper a produção por um período no ano passado como resultado da pandemia do coronavírus. Os lucros melhoraram significativamente, com contribuições de todas as unidades de negócios. A evolução da procura foi especialmente dinâmica no primeiro semestre do ano. A partir do terceiro trimestre, a Automotive Technology foi impactada pelos crescentes gargalos de fornecimento de semicondutores, bem como pelo aumento dos custos de material e logística. No entanto, em €264 milhões, o EBIT ajustado ficou significativamente acima do nível do ano anterior de €(166) milhões.

Em comparação com o ano anterior enfraquecido pela pandemia, a Steel Europe aumentou a entrada de pedidos e as vendas em 31% e 27%, respectivamente. O EBIT ajustado melhorou para €116 milhões de €(820) milhões um ano antes. A maior demanda, o aumento dos preços de mercado e as medidas de desempenho implementadas como parte da Estratégia de Aço 20-30 tiveram um impacto positivo. No final do ano fiscal passado, soluções socialmente aceitáveis foram encontradas para mais da metade dos 3.750 empregos na Steel Europe que deveriam ser reduzidos até 2026. Em contraste, o forte aumento nos preços das matérias-primas e restrições temporárias à produção, principalmente em conexão com a atualização necessária para o alto-forno número um em Duisburg, teve um efeito de amortecimento.

A thyssenkrupp ainda está convencida de que uma solução independente oferece as melhores perspectivas futuras para a Steel Europe. No entanto, a separação do negócio do aço é um empreendimento muito complexo, caracterizado por desafios econômicos e um grande número de incertezas. A decisão final dependerá de muitos fatores, alguns deles externos. Entre outras coisas, exigirá um marco regulatório que ofereça segurança de planejamento, especialmente no que diz respeito à transformação verde. Além de abordar os problemas usuais de carve-out, a thyssenkrupp está atualmente conduzindo um estudo de viabilidade para explorar quais condições são necessárias para alcançar uma solução independente para o negócio do aço.

A Marine Systems aumentou significativamente a entrada de pedidos para €6,7 bilhões, de €2,2 bilhões no ano anterior. Além da encomenda com um volume de €5,5 bilhões para seis submarinos para a Noruega e a Alemanha, também incluiu uma encomenda da marinha italiana para um projeto de submarino. Em €2 bilhões, as vendas também melhoraram em relação ao mesmo período do ano anterior (€1,8 bilhão). As principais razões para isso foram a entrega da terceira fragata F125 à marinha alemã e a entrega de quatro corvetas no total à marinha israelense. Em €26 milhões, o EBIT ajustado ficou acima do nível do ano anterior de €20 milhões.

Com um aumento de pedidos de 34%, o segmento de Multi Tracks viu um desenvolvimento muito dinâmico em novos negócios em geral. As vendas permaneceram estáveis no nível do ano anterior (+2%). Em linha com seus desafios específicos, os negócios individuais no segmento de Multi Tracks tiveram um desempenho muito diferente: O negócio de aço inoxidável aumentou significativamente a entrada de pedidos e as vendas. A Plant Technology também registrou aumentos na entrada de pedidos em todas as áreas de negócios. Em particular, os primeiros contratos foram conquistados no mercado de hidrogênio em crescimento. Em contraste, o menor número de pedidos no ano anterior refletiu-se em vendas menores. Os negócios caíram na Heavy Plate antes de seu fechamento no final do ano fiscal. O EBIT ajustado do segmento foi de €(298) milhões no geral, o que foi quase a metade do prejuízo do ano anterior de €(593) milhões.

No Corporate Headquarters, o EBIT ajustado melhorou ainda mais para €(194) milhões de €(221) milhões no ano anterior.

 

Ano fiscal 2020/2021: indicadores-chave de desempenho do grupo em geral (incluindo operações descontinuadas)

No ano fiscal 2020/2021, a thyssenkrupp quase empatou com um prejuízo líquido de €(25) milhões. Um ano antes, a empresa registrou lucro líquido de €9,6 bilhões, que incluiu o lucro da venda do negócio de elevadores. Sem este efeito, ou seja, com base nas operações contínuas, o prejuízo líquido melhorou substancialmente de €(5,5) bilhões para €(19) milhões. O lucro por ação foi de €(0,18) (ano anterior: €15,40) ou €(0,17) com base nas operações contínuas, acima dos €(8,91) no ano anterior.

Em comparação com o ano anterior, o patrimônio líquido aumentou de €10,2 bilhões para €10,8 bilhões, principalmente devido ao nível mais alto das taxas de juros e à reavaliação resultante das obrigações com pensões. Como resultado, o índice de patrimônio líquido melhorou ligeiramente para mais de 29% de 28% no ano anterior.

No ano fiscal 2020/2021, o fluxo de caixa livre antes de M&A de €(1,3) bilhão foi significativamente maior do que o valor de €(4,8) bilhões um ano antes e dentro do intervalo de previsão. Os efeitos positivos vieram de fortes melhorias nos lucros dos segmentos, enquanto o aumento relacionado aos preços nos ativos circulantes líquidos teve um impacto negativo. Efeitos adicionais vieram dos gastos em andamento com reestruturação e gastos de capital em áreas futuras da thyssenkrupp que excediam a depreciação. Os ativos financeiros líquidos do grupo diminuíram de acordo para €3,6 bilhões (30 de setembro de 2020: €5,1 bilhões). Com caixa e equivalentes de caixa e linhas de crédito comprometidas não utilizadas totalizando €10,5 bilhões, a thyssenkrupp tem uma posição de liquidez muito boa.

Como as demonstrações financeiras da controladora da thyssenkrupp AG mostram um prejuízo não apropriado, nenhuma proposta de dividendo para o ano fiscal 2020/2021 será apresentada para deliberação na Assembleia Geral Anual.

Clique aqui para baixar a íntegra do relatório.