• Home
  • Comunicado de imprensa

Press Release

Corporativo May 14, 2019 5:00 PM

thyssenkrupp publica relatório semestral de 2018/2019

Como não será mais concretizada a joint venture planejada para o aço e com o anúncio de um realinhamento estratégico fundamental do Grupo, a thyssenkrupp AG publicou hoje um relatório intermediário para o primeiro semestre de 2018/2019.

As seguintes informações relativas ao relatório semestral dizem respeito ao Grupo como um todo, ou seja, incluindo as atividades siderúrgicas relatadas como "descontinuadas" no relatório. O relatório de "operações continuadas" será preparado apenas com as demonstrações financeiras dos nove meses do ano. Somente então será refletida a depreciação anteriormente programada e suspensa dos negócios de aço no nível de Grupo, o que terá um impacto negativo tanto no resultado do ano anterior quanto no resultado do primeiro semestre de 2018/2019.

Os efeitos resultantes sobre as metas anuais para o atual exercício já foram considerados na projeção ajustada em 10 de maio de 2019. Além da desaceleração econômica, especialmente no setor automotivo, esta previsão leva em consideração todos os efeitos da reintegração do negócio de aço e as despesas previstas para a implementação do realinhamento estratégico no exercício atual.

Visão geral dos principais números do 1º semestre de 2018/2019

  • As vendas aumentaram 2%, chegando a €20,4 bilhões.

Em relação às vendas, todos os negócios, exceto Materials Services e Steel Europe, contribuíram para o aumento no 1º semestre. O principal impulsionador do crescimento foi a área de elevadores nos EUA e na Europa.

  • A entrada de pedidos melhorou 4% para € 20,5 bilhões.

A Elevator Technology novamente atingiu recordes de pedidos de €4,1 bilhões resultantes de vários projetos importantes. A área de engenharia de plantas registrou pedidos, principalmente no que diz respeito à construção de plantas químicas e de mineração, enquanto a Components Technology mostrou crescimento principalmente em componentes industriais. Quando comparadas aos nível de entrada de pedidos do ano anterior, a área naval ficou ligeiramente abaixo, a Materials Services no mesmo nível e a Steel Europe ficou acima.

  • O EBIT ajustado caiu de € 943 milhões para € 685 milhões.

A crise econômica teve um impacto particularmente negativo nos resultados operacionais da Components Technology. Os ganhos na Elevator Technology foram menores do que no ano anterior devido aos custos mais elevados dos materiais. A Industrial Solutions registrou margens menores em projetos que estão sendo implementados no momento. A Marine Systems permaneceu estável no ponto de equilíbrio, enquanto a Materials Services não conseguiu manter o nível de lucro do ano anterior, principalmente devido à queda dos preços. No setor siderúrgico, a maré baixa histórica do Rio Reno, a menor demanda do setor automotivo e o novo acordo coletivo tiveram um impacto negativo nos lucros.

  • O lucro líquido do período foi de €59 milhões (€343 milhões no ano anterior).

Além do desempenho operacional, um aumento da provisão formada no final do último ano fiscal para os riscos de um processo de cartel e consequente multa prevista de pouco mais de €100 milhões teve um impacto nesse indicador. Após a dedução de participações minoritárias, o resultado líquido foi de €36 milhões (€320 milhões no ano anterior); o lucro por ação foi de €0,06 (€0,51 no ano anterior).

  • O fluxo de caixa livre antes de fusões e aquisições foi claramente negativo em € -2,5 bilhões (€ -1,4 bilhão no ano anterior).

  • O principal motivo para a saída de caixa foi um aumento sazonal do capital de giro líquido no 1º trimestre, particularmente em Materials Services e Steel Europe. No 2º trimestre, a thyssenkrupp gerou uma entrada de caixa positiva de €23 milhões, significativamente maior do que no trimestre anterior (€ -2,5 bilhões).

Previsão para o exercício de 2018/2019

O Grup

  • o prevê um EBIT ajustado de €1,1 a 1,2 bilhão. O valor comparável do ano anterior foi de €1,4 bilhão.

  • Estima-se que o fluxo de caixa livre antes de fusões e aquisições permaneça, em geral, em um intervalo negativo de um nível relativamente alto de 3 dígitos de milhões de euros (€ -134 milhões de euros no ano anterior). Isso refletirá os efeitos da desaceleração econômica, o impacto no capital de giro líquido dos negócios de materiais e o aumento do capital de giro líquido nos negócios de componentes devido à ampliação de atividades das novas plantas. O desenvolvimento também dependerá da entrada de pedidos e dos perfis de pagamento de grandes projetos individuais na Marine Systems. Poderá ainda ocorrer um encargo adicional resultante do pagamento da multa prevista do processo de cartel.

  • A thyssenkrupp prevê que o lucro líquido seja negativo. Isso inclui despesas de reestruturação para melhorias futuras de desempenho, a provisão para, no curto prazo, a conclusão final e mutuamente acordada da ação referente ao cartel para chapas grossas com o Escritório Federal de Cartéis (o Bundeskartellamt), bem como despesas para a preparação da oferta pública de ações (IPO) do negócio de elevadores.