You are using Internet Explorer 11 or earlier, this browser is no longer supported by this website. We suggest to use a modern browser.

  • Home
  • Comunicado de imprensa

Press Release

Produtos e soluções Aug 21, 2019 1:00 PM

thyssenkrupp está entre as 3 maiores empresas do Brasil na categoria Mecânica

  • Destaque no setor foi revelado no anuário Valor 1000, do jornal Valor Econômico em parceria com a Serasa Experian e FGV

A thyssenkrupp é uma das três maiores empresas na categoria Mecânica pelo segundo ano consecutivo, de acordo com o ranking Valor 1000, revelado nesta terça-feira (20/8), em São Paulo.

No ano fiscal de 2018, a companhia registrou faturamento de €1,1 bilhão na América do Sul, o que representou crescimento acima de 10% em comparação ao ano anterior. “Para 2019, nossa estratégia de atuação é fortalecida, principalmente, pela movimentação do mercado em direção à adoção de novas tecnologias digitais, como a Indústria 4.0 e a Inteligência Artificial”, afirma Paulo Alvarenga, CEO da thyssenkrupp para a América do Sul.

O ranking Valor 1000 está em sua 19ª edição e é realizado pelo Jornal Valor Econômico em parceria com a Serasa Experian e a Escola de Administração de Empresas da FGV. A premiação reconhece as 1000 maiores empresas do País, em termos de receita, bem como classifica as 10 principais em 25 setores da economia.

Corporativo Nov 21, 2019 8:00 AM

A thyssenkrupp avança na reestruturação do Grupo | A dinâmica econômica global mais fraca impactou os lucros do exercício de 2018/2019

  • O recém-formado Comitê Executivo estabelece prioridades para a reestruturação do Grupo: performance, elevadores, siderurgia e organização
  • Transação da ET: forte interesse de investidores estratégicos e financeiros; preparativos internos para a abertura de capital até o fim do ano
  • A entrada de pedidos e as vendas aumentaram 1% no exercício de 2018/2019, atingindo a meta revisada de ganhos com um EBIT ajustado de € 802 milhões
  • Previsão cautelosa para 2019/2020: previsão de EBIT ajustado no nível do ano anterior

No ano fiscal passado, a thyssenkrupp registrou um ligeiro crescimento em um ambiente econômico difícil. A entrada de pedidos e as vendas aumentaram para 42,0 bilhões de euros, crescimento de 1% em relação ao ano anterior. As empresas de bens de capital deram uma grande contribuição para esse aumento. Nas empresas de materiais, por outro lado, o crescimento foi desacelerado pela economia global cada vez mais fraca, a substancial desaceleração no setor automotivo e a contínua alta pressão das importações sobre o aço. Isso foi acompanhado por um aumento maciço nos preços das matérias-primas. Esses fatores também impactaram os resultados operacionais, especialmente nos negócios de componentes automotivos e materiais. O EBIT ajustado do Grupo de 802 milhões de euros (1,4 bilhão de euros no ano anterior) está em linha com o ajuste da previsão realizado em agosto de 2019 (“aproximadamente 0,8 bilhão de euros”).

“O desempenho de muitas de nossas empresas não é satisfatório. Isso também se deve ao fato de que as melhorias estruturais necessárias e as medidas de reestruturação não foram implementadas com os resultados necessários. Vamos cuidar disso agora, de forma rápida e sistemática”, disse Martina Merz, CEO da thyssenkrupp AG.

Nesse contexto, o recém-formado Comitê Executivo estabeleceu quatro prioridades claras e está focando no tópico performance, na transação da Elevadores, na viabilidade futura do negócio siderúrgico e no desenvolvimento futuro da organização.

“Performance em primeiro lugar”: novas decisões foram tomadas

O objetivo principal da empresa continua sendo o de aumentar a performance dos seus negócios. Inúmeras medidas já estão em andamento em todas as áreas.

Martina Merz: “No momento, não estamos fechando os olhos para nada na empresa. Vemos muitos negócios nos quais a melhoria de performance é uma prática diária. Existem empresas do grupo que estão entre as melhores em seus setores. Mas isso não pode esconder a urgente necessidade de ação que vemos em outras unidades”.

O Comitê Executivo tomou novas decisões a esse respeito nas últimas semanas: a Industrial Solutions focará no turnaround operacional. Ao mesmo tempo, a thyssenkrupp vê oportunidades para desenvolver ainda mais os diversos negócios de engenharia de plantas industriais juntamente com parceiros, ou então sob um novo teto. Para esse fim, neste momento, as informações sobre o negócio estão sendo preparadas na forma dos chamados fact books, a fim de estabelecermos rapidamente uma base sólida para discussões com possíveis partes interessadas.

O processo de reestruturação já começou na System Engineering. Haverá uma redução de cerca de 640 postos de trabalho. No geral, a thyssenkrupp destinou um valor de algumas centenas de milhões de euros para as medidas de reestruturação pendentes no atual exercício.

A thyssenkrupp espera que todas as medidas de performance iniciadas resultem em melhorias operacionais que, contudo, não terão ainda os seus resultados computados no exercício fiscal corrente. Além disso, a atual economia fraca continuará pesando nas margens dos negócios. As possíveis alterações no portfólio também terão impacto nos principais números financeiros do Grupo. Isso mudará a base geral para atingir os objetivos do Grupo. A thyssenkrupp não alcançará, portanto, as metas de médio prazo estabelecidas em agosto de 2018 para o exercício de 2020/2021, conforme planejado. No entanto, os objetivos associados às metas de médio prazo permanecem inalterados. Mas os negócios atingirão suas metas em momentos diferentes, de acordo com seus ciclos específicos.

“Pista Dupla” para a Elevadores: os preparativos estão no prazo

Para aumentar a flexibilidade financeira visando a reestruturação do Grupo, a thyssenkrupp está avançando com a transação planejada da Elevadores como segunda prioridade. O Grupo permanece com uma abordagem de duas frentes e está trabalhando com todas as opções. Os preparativos são cronometrados de forma que a thyssenkrupp possa tomar uma decisão sólida no primeiro trimestre de 2020 sobre quais opções deverá buscar prioritariamente. Os preparativos internos para uma oferta pública de ações serão concluídos até o fim do ano. A thyssenkrupp já recebeu ofertas indicativas de investidores estratégicos e financeiros. Baseada em due diligence, a thyssenkrupp espera para o próximo ano ofertas vinculativas (binding offers) como base para possíveis negociações.

Está em curso o conceito futuro para a área siderúrgica

Como prioridade número três, o Grupo abordará questões de performance e desafios estruturais no setor siderúrgico. O objetivo é dar ao aço uma perspectiva de longo prazo. Para esse fim, o Comitê Executivo da Steel está trabalhando em um conceito para o futuro, que será apresentado inicialmente ao Conselho de Administração da thyssenkrupp Steel Europe AG em dezembro e discutido com os órgãos de codeterminação.

Organização: A sede com nova função – otimização dos negócios

A quarta prioridade é um maior desenvolvimento da organização. Com hierarquias mais planas e um estilo de colaboração mais direto, uma nova organização deverá fortalecer ainda mais a responsabilidade direta das empresas. No fim de setembro, a thyssenkrupp já havia apresentado internamente o quadro da futura estrutura. Como exemplo, o Grupo está eliminando a organização matricial. Na Components Technology e na Industrial Solutions, as unidades de gestão serão essencialmente dissolvidas. Na sede, o número de cargos corporativos será reduzido de 15 para 10. A equipe de quase 800 funcionários em nossa matriz será reduzida para cerca de 430 ao longo dos próximos 12 meses.

Ano fiscal anterior 2018/2019 foi fortemente impactado por efeitos externos

Apesar da dinâmica de mercado cada vez mais fraca no decorrer do ano, principalmente no setor automotivo, a área de negócios Components Technology melhorou significativamente a entrada de pedidos e as vendas na comparação ano a ano. Os aumentos resultaram principalmente de componentes industriais (energia eólica, máquinas para construção, caminhões pesados). Por outro lado, o fraco desempenho dos componentes para automóveis de passageiros na China foi evidente. A demanda também caiu na Europa Ocidental e nos EUA. Isso teve um impacto negativo no resultado operacional da área de negócios. Os lucros continuaram sendo impactados pelas contribuições negativas dos lucros de molas e estabilizadores. Graças ao desempenho positivo dos negócios de componentes industriais, o EBIT total ajustado de € 233 milhões da Components Technology foi significativamente superior ao valor do ano anterior (€ 197 milhões), que foi impactado por questões de qualidade.

Na área de negócios Elevator Technology , a thyssenkrupp registrou entrada de pedidos no valor de 8,2 bilhões de euros no exercício passado – um novo recorde. Entre os fatores contribuintes estão vários projetos importantes na China e outro em Sydney, na Austrália. A área de serviços cresceu principalmente nos EUA e na Ásia. As vendas aumentaram 5% em comparação com o ano anterior. O EBIT ajustado também melhorou em 5%, para € 907 milhões. Os principais fatores foram a implementação do programa de performance, que fez contribuições positivas por meio da otimização e reestruturação do desempenho, além do crescimento significativo dos negócios de serviços. Um EBIT ajustado visivelmente melhor na China compensou em grande parte os preços mais altos dos materiais nos EUA. Em especial, as melhorias significativas na margem no segundo semestre do ano confirmam a recente tendência positiva.

A Industrial Solutions aumentou suas vendas em 10% no ano fiscal passado. A construção de plantas químicas foi um dos principais fatores que contribuíram para esse aumento. A entrada de pedidos foi menor em relação ao ano anterior devido à restrição na obtenção de grandes projetos. Os lucros foram mais fracos do que no ano anterior. Isso ocorreu devido às margens mais baixas nos projetos em andamento e a uma subutilização parcial da capacidade. No geral, a Industrial Solutions registrou um EBIT ajustado negativo de € (170) milhões (€ (127) milhões no ano anterior).

O negócio naval mais que triplicou sua entrada de pedidos no exercício passado. Uma grande encomenda de quatro fragatas para o norte da África no quarto trimestre teve um efeito particularmente positivo. As vendas também aumentaram significativamente. Isso e a ausência de despesas pontuais do projeto no ano anterior levaram a um resultado operacional significativamente melhor. A Marine Systems encerrou o ano de 2018/2019 com um resultado ligeiramente positivo de € 1 milhão (€ (128) milhões no ano anterior). O EBIT ajustado, no entanto, continua sendo impactado pelas baixas margens nos projetos em andamento.

A área de negócios Materials Services também sentiu o impacto de incertezas econômicas e o difícil ambiente de mercado no setor automotivo. A entrada de pedidos e as vendas foram significativamente negativas. A queda dos preços de mercado e uma demanda muito fraca, sobretudo nos negócios de armazenamento e comércio direto, bem como nos centros de serviços relacionados à indústria automobilística na Europa, tiveram um impacto negativo nos negócios e levaram a significativos efeitos negativos. O movimento positivo na América do Norte não foi capaz de compensar isso. Consequentemente, o EBIT ajustado de € 107 milhões ficou significativamente abaixo do nível alto do ano anterior (€ 317 milhões).

O desempenho dos negócios da Steel Europe foi especialmente influenciado no início do exercício passado por fatores especiais - especialmente a maré baixa histórica do rio Reno e o novo teste de emissões WLTP, que causou prejuízos temporários na produção da indústria automobilística. À medida que o ano avançava, os negócios também foram atingidos pela desaceleração geral do mercado, em especial devido a uma queda perceptível na demanda da indústria automobilística. A entrada de pedidos e as vendas caíram em comparação com o ano anterior. O EBIT ajustado diminuiu para 31 milhões de euros (687 milhões de euros no ano anterior). Além do declínio significativo das entregas, os custos de matérias-primas drasticamente mais altos, especialmente do minério de ferro, e os efeitos negativos da taxa de câmbio também tiveram um impacto.

A thyssenkrupp está progredindo significativamente mais rapidamente do que o planejado na redução de custos administrativos na sede e na organização regional. Como resultado, os custos corporativos no exercício passado foram reduzidos para € (306) milhões (€ (377) milhões no ano anterior).

Principais números do exercício de 2018/2019

No total, a thyssenkrupp registrou um prejuízo líquido de € (260) milhões no exercício de 2018/2019 (€ (12) milhões no ano anterior). Isso também inclui o aumento da provisão para riscos de processos antitruste e despesas de reestruturação no segundo trimestre. Após a dedução da participação minoritária, o prejuízo líquido foi de € (304) milhões (€ (62) milhões no ano anterior); o lucro por ação foi de € (0,49) (€ (0,10) no ano anterior).

Situado em € (1,1) bilhão, o fluxo de caixa livre antes das fusões e aquisições para o ano inteiro ficou bem abaixo do valor do ano anterior (€ (134) milhões). O principal motivo para a significativa saída de caixa foi o aumento de recursos financeiros vinculados nos primeiros nove meses do ano, principalmente nas empresas de materiais. O forte trimestre final, com entradas positivas de caixa totalizando € 1,4 bilhão - provenientes principalmente de empresas de materiais, da Components Technology e da Elevator Technology - não foi capaz de compensar esses eventos.

A dívida financeira líquida do Grupo era de € 3,7 bilhões em 30 de setembro de 2019 (€ 2,4 bilhões no ano anterior). Considerando a liquidez livre de € 7,3 bilhões e uma estrutura de vencimentos equilibrada, a thyssenkrupp permanece bem financiada.

O patrimônio líquido diminuiu de € 3,2 bilhões para € 2,2 bilhões no comparativo anual. Isso ocorreu em parte devido ao prejuízo líquido do exercício. Além disso, para os efeitos negativos das taxas de juros mais baixas, foi necessária uma reavaliação das obrigações com pensões. O gearing, a proporção da dívida financeira líquida em relação ao patrimônio líquido, era de cerca de 167% em 30 de setembro de 2019 (cerca de 74% no ano anterior). O limite de gearing acordado com os bancos financiadores foi, portanto, atingido.

No contexto do fraco desempenho operacional e da situação financeira, o Comitê Executivo e o Conselho de Administração vão propor à Assembleia Geral Anual em 31 de janeiro de 2020 o não pagamento de dividendos para o exercício fiscal de 2018/2019.

Previsão para 2019/2020

A thyssenkrupp é geralmente cautelosa em relação ao atual exercício de 2019/2020 . As incertezas econômicas e geopolíticas dão ao Grupo apenas uma visibilidade limitada. Particularmente nos negócios cíclicos de materiais e componentes automotivos, isso leva a uma previsibilidade restrita.

No contexto do progresso geral nas empresas de bens de capital e de uma tendência de lucro mais fraca nas empresas de materiais, o Comitê Executivo espera que o EBIT ajustado permaneça no nível do ano anterior. Ofluxo de caixa livre antes das fusões e aquisições deve ficar abaixo do nível do ano anterior. As entradas virão de melhorias operacionais, dependendo das entradas de pedidos e do perfil de pagamento dos projetos na construção de plantas e na Marine Systems. A esperada multa antitruste e os pagamentos significativamente mais altos para a reestruturação na faixa de algumas centenas de milhões de euros, como resultado da implementação do “newtk”, terão um impacto negativo. As despesas com a intensificação da reestruturação (efeitos especiais) resultarão em uma perda líquida significativamente maior no ano em relação ao ano anterior.

O material de filmagem atual pode ser encontrado aqui

1 A reclassificação das atividades siderúrgicas como “operações continuadas” leva ao reconhecimento retrospectivo da depreciação programada que havia sido suspensa. Os lucros no primeiro semestre de 2018/2019 foram subsequentemente impactados negativamente em € 228 milhões, enquanto os lucros no quarto trimestre de 2017/2018 foram impactados negativamente em € 107 milhões (ambos antes de impostos).

Produtos e soluções Aug 8, 2019 1:00 PM

Exposibram 2019: thyssenkrupp destaca novo britador de rolos excêntrico e portfólio para mineração 4.0

  • Primeiro britador de rolos excêntrico do mundo, o ERC é uma revolução para a britagem primária tanto a céu aberto como subterrânea
  • Soluções de digitalização da thyssenkrupp são aplicadas em operações da mina ao porto a partir de sistemas autônomos e inteligência artificial
  • TechDays gratuitos sobre soluções que atendem a todo o ciclo da mineração, da mina ao porto

A thyssenkrupp, por meio de sua área de negócios Industrial Solutions, está entre os principais expositores da EXPOSIBRAM 2019 - Expo & Congresso Brasileiro de Mineração, um dos maiores eventos do setor no mundo que acontece a partir de 9 de setembro, em Belo Horizonte (MG). Líder global em soluções para mineração, a empresa vai apresentar uma série de novidades, entre elas o Britador de Rolos Excêntrico ERC e a Empilhadeira sobre Ponte Móvel lizard®. Além disso, um dos destaques no estande da thyssenkrupp será o seu portfólio de soluções para mineração 4.0, que possibilita a digitalização de todos os processos a partir de sistemas autônomos e inteligência artificial, desde a extração de minério, processamento, estocagem até a logística de escoamento nos portos.

Inovação desenvolvida pela thyssenkrupp, o Britador de Rolos Excêntrico ERC é uma excelente opção para a britagem primária de rochas e minérios. Compacto e robusto, possui um design patenteado, com uma peneira integrada que permite vazões entre 600 e 10.000 toneladas por hora. Adequado para uso tanto em operações subterrâneas como em mineração a céu aberto, o ERC oferece eficiência e flexibilidade significativamente maiores do que os britadores primários convencionais. O britador trabalha combinando as funções de um britador de mandíbulas e de rolos, aumentando sua flexibilidade operacional no processamento mineral de rochas e minérios de alta e baixa resistência, garantindo assim mais economia, produtividade e eficiência energética.

“Com o ERC, desenvolvemos uma tecnologia pioneira. Seu design inovador combina as vantagens dos britadores primários convencionais e elimina suas desvantagens típicas com o tamanho compacto, por exemplo. Como resultado, o ERC pode ser usado em operações de mineração subterrânea e de superfície e em pedreiras para processar minério e rochas de alta resistência de maneira mais eficaz”, afirma Marco Antônio de Castro, diretor executivo da unidade de negócios de Mineração da thyssenkrupp Industrial Solutions para o Brasil.

Além disso, a thyssenkrupp também destaca durante a EXPOSIBRAM a Empilhadeira sobre Ponte Móvel lizard® , equipamento para lixiviação e empilhamento de rejeitos secos que combina duas tecnologias comprovadas – o transportador tipo em ponte (“bridge conveyor”) e o tripper car.

Uma das principais vantagens do lizard® é a utilização de múltiplos crawlers, que permite uma operação mais flexível. Os crawlers duplos garantem manobrabilidade irrestrita em todas as direções, evitando os grandes raios de giro dos sistemas convencionais.

Na vanguarda da mineração 4.0

Com um portfólio de cerca de 200 soluções que atendem às mineradoras desde a mina até o porto, a thyssenkrupp não só está entre os principais fornecedores mundiais para mineração, como também vem liderando o processo de digitalização no setor, a chamada mineração 4.0.

A maioria das plantas e máquinas de mineração gera grandes quantidades de dados. A thyssenkrupp combina suas competências digitais e técnicas e usa essas informações para criar valor agregado mensurável para os clientes de mineração. As soluções de serviços baseadas em dados da empresa otimizam os processos operacionais ou atuam como ponto de partida, permitindo que as mineradoras controlem com precisão sua produção e melhorem a qualidade do produto, bem como a eficiência energética. Além disso, futuras falhas são previstas em um estágio inicial, de modo que os tempos de parada sejam minimizados e a produtividade seja ampliada. Ao analisar os dados coletados, os engenheiros da thyssenkrupp podem possibilitar que as plantas sejam inspecionadas e otimizadas com mais precisão, eficiência e segurança.

Com as soluções 4.0, todos os equipamentos podem ser automatizados e interconectados, o que permite ao operador monitorar o sistema como um todo à distância, o que também contribui significativamente para o aumento da segurança nas operações. Hoje a thyssenkrupp já é capaz de automatizar e interconectar operações de todo tipo de equipamento, desde escavadeiras, sistemas IPCC, britadores, transportadores de correia até sistemas para pátios de estocagem e logística de portos.

No caso específico dos pátios de estocagem, por exemplo, já é possível implementar soluções digitais que possibilitam que os equipamentos identifiquem a localização de cada tipo de material no pátio (por meio de tecnologias de escaneamento 3D e drones), as respectivas características desses materiais e façam a disposição automática nos devidos vagões ou diretamente nos navios, de acordo com o pedido recebido pelo sistema.

“Entre os principais benefícios da digitalização na mineração está o aumento significativo da eficiência dos processos, da produtividade e sustentabilidade, além da redução dos custos de produção, o que para este setor é fundamental. Além disso, os diversos sensores instalados e os dados coletados dos equipamentos inteligentes têm o potencial para permitir manutenções preditivas, que podem reduzir significativamente as paradas nos maquinários”, comenta Bruno Castro, brasileiro que lidera o Digital Technology Office, célula de inovação que a thyssenkrupp criou na Alemanha para atender exclusivamente as mineradoras. Esse escritório atua de forma integrada com as 16 localidades especializadas em mineração que a empresa possui ao redor do mundo, entre elas a unidade do Brasil.

Maior sistema de carregamento de vagões para minério de ferro do mundo

Durante a EXPOSIBRAM, a thyssenkrupp destaca ainda outras soluções para manuseio e transporte de minérios. Entre elas o maior e mais moderno sistema automatizado de carregamento de vagões do mundo, implementado em uma grande mina de minério de ferro do Brasil. Trata-se de um projeto desenvolvido pela unidade da thyssenkrupp em Belo Horizonte (MG), considerada um dos principais Centros de Excelência do Grupo para o setor de mineração. Com capacidade nominal de 16.000 t/h, esse sistema, também conhecido como TLO (Train Load-Out), elimina erros de operação humana e aumenta significativamente a produtividade.

A thyssenkrupp se consolidou, também, como a principal fornecedora de viradores de vagões utilizados em portos pelos quais as mineradoras fazem o escoamento dos minérios para os mercados consumidores. No Brasil, a empresa entregou mais de 80% dos viradores que entraram em operação na última década, com aplicação não só em mineração, mais em outros segmentos industriais.

Produção 100% nacional da nova geração de prensas de rolo de alta pressão HPGR

Outra novidade que a thyssenkrupp anuncia na EXPOSIBRAM é a fabricação das prensas de rolo de alta pressão HPGR em seu Centro de Serviços situado em Santa Luzia (MG). Com isso, a empresa passa a ser a única com capacidade para produzir e fornecer localmente esse tipo de equipamento. Como líder de mercado global dessa tecnologia, a companhia tem utilizado sua experiência de mais de 40 anos e também o feedback dos mais de 130 HPGRs instalados ao redor do mundo para desenvolver uma nova geração de prensas de rolo de alta pressão com novos avanços técnicos.

A nova geração de HPGRs da thyssenkrupp está mais econômica do que nunca graças à maior eficiência energética, redução de desgastes – devido à superfície de retificação cravejada de metal duro – e menores custos operacionais em razão da facilidade de manutenção. Com uma eficiência maior, o equipamento proporciona taxas de recuperação 33% mais altas que os sistemas convencionais na área de cominuição. Além disso, é mais confiável, oferecendo mais de 95% de disponibilidade por meio de uma tecnologia inteligente de manutenção preventiva e preditiva. Seja qual for a aplicação, traz mais benefícios na cominuição e ajuda a otimizar os processos de moagem.

Além do Centro de Serviços de Santa Luzia, a thyssenkrupp conta também com um Centro de Serviços em Carajás (PA), localizado bem próximo aos principais complexos de mineração da região Norte. “As duas unidades oferecem um portfólio de serviços 360º, ou seja, que atendem a todo o ciclo de vida de uma planta: gerenciamento e fornecimento de peças sobressalentes e de desgaste, serviços de campo e de oficina, expansões e modernizações complexas, bem como operação e manutenção de plantas”, explica Marcelo Botelho, diretor da área de Serviços da thyssenkrupp Industrial Solutions para o Brasil.

techday

Para apresentar ao setor de mineração as vantagens e aplicações de seu portfólio na prática, a thyssenkrupp conduzirá em seu estande cinco sessões do treinamento interativo “techday” durante o evento. As inscrições podem ser realizadas por meio do link e as vagas são limitadas.

A EXPOSIBRAM 2019 acontece entre os dias 9 e 12 de setembro e será realizada no Expominas – Av. Amazonas, 6200, Gameleira, Belo Horizonte. O estande da thyssenkrupp está na Rua Kunzita – Estande K08 - Nível Pavilhão.

Sobre a thyssenkrupp Industrial Solutions

A thyssenkrupp Industrial Solutions é um parceiro líder na engenharia, construção e serviços de plantas industriais e sistemas. Com base em mais de 200 anos de experiência, fornecemos plantas e componentes prontos para uso para clientes nas indústrias química, de fertilizantes, cimento, mineração e siderurgia. Como parceiro de sistemas para o setor automotivo, desenvolvemos soluções altamente especializadas para atender às necessidades individuais de nossos clientes. Cerca de 16.000 colaboradores em todo o mundo formam uma rede global com um portfólio de tecnologia que garante a produtividade e a eficiência de custo na maior extensão possível.

Sobre a thyssenkrupp

A thyssenkrupp é uma empresa industrial diversificada com ampla tradição no mercado de materiais e participação crescente no setor de bens de capital e serviços. Visando sempre o progresso sustentável, a empresa conta com mais de 161.000 colaboradores, em 78 países, que atuam com paixão e experiência tecnológica no desenvolvimento de produtos de alta qualidade, bem como em processos e serviços inteligentes para a indústria. Competência e comprometimento são a base de nosso sucesso. No ano fiscal de 2017/2018, a thyssenkrupp obteve o faturamento global de aproximadamente 42,7 bilhões de euros.

Desenvolvendo negócios no Brasil desde 1837, a thyssenkrupp emprega aproximadamente 8 mil colaboradores em todas as regiões do país nos segmentos automotivo, energia, infraestrutura, mineração, cimento, construção civil, química, petroquímica e defesa.

Britador de Rolos Excêntrico ERC

Britador de Rolos Excêntrico ERC

Empilhadeira sobre Ponte Móvel lizard®

Empilhadeira sobre Ponte Móvel lizard®

Corporativo Sep 30, 2018 3:00 PM

thyssenkrupp abre caminho para uma nova configuração estratégica

  • Conselho de Supervisão, concorda, unanimemente, com o plano para separar o grupo
  • Prof. Dr. Bernhard Pellens assume a presidência do Conselho de Supervisão
  • Guido Kerkhoff é nomeado como CEO

O Conselho de Supervisão da thyssenkrupp AG concordou, por unanimidade, neste domingo (30/09), com a proposta da Diretoria Executiva de dividir o grupo em duas empresas separadas. No futuro, os negócios de bens de capitais e materiais serão administrados como empresas independentes e listadas em bolsa, com acesso direto ao mercado de capitais. A Diretoria Executiva foi solicitada a preparar os detalhes da transação nos próximos meses.

Neste contexto, o Conselho de Supervisão nomeou, por unanimidade, Guido Kerkhoff como CEO. Kerkhoff obtém um novo contrato de cinco anos e, assim, assumirá permanentemente a administração do grupo. O contrato do CHRO Oliver Burkhard também foi renovado e agora também vai até 30 de setembro de 2023. O contrato do Dr. Donatus Kaufmann já havia sido prorrogado no ano passado até 31 de janeiro de 2022. Há planos para a adição de um CFO à Diretoria Executiva no futuro.

Guido Kerkhoff, CEO da thyssenkrupp: “Gostaria de agradecer ao Conselho de Supervisão pela confiança e pelo claro apoio que deu à nova configuração da thyssenkrupp, proposta pela Diretoria Executiva. Agora nós podemos, finalmente, dar aos nossos colaboradores uma orientação clara a respeito do futuro da empresa. A solução encontrada é responsável e atende igualmente aos interesses de funcionários, clientes e acionistas. Agora, vamos começar a implementação de forma decisiva”.

Kerkhoff acrescentou: “Ontem mesmo, Oliver Burkhard chegou a um acordo geral com os representantes dos colaboradores do Conselho de Supervisão. Isso proporciona segurança para nossos funcionários. As duas empresas futuras não serão apenas chamadas de thyssenkrupp, mas também viverão os valores e a cultura da thyssenkrupp”.

O Conselho de Supervisão da thyssenkrupp AG também elegeu, por unanimidade, o Prof. Dr. Bernhard Pellens como Presidente do Conselho de Supervisão. Pellens irá suceder o Prof. Dr. Ulrich Lehner, que renunciou ao Conselho, por vontade própria, em 31 de julho de 2018. Desde então, Markus Grolms, Vice-Presidente do Conselho de Supervisão da thyssenkrupp AG, geriu os assuntos do Conselho de Supervisão.

Prof. Dr. Bernhard Pellens: “Com esta nova estrutura, a thyssenkrupp está dando um passo corajoso. A thyssenkrupp agora tem um plano convincente para aproximar suas empresas de seus clientes e aumentar seu desempenho. Isso beneficiará acionistas, clientes e colaboradores. O conceito foi desenvolvido pela Diretoria Executiva e, por esta razão, é natural que esta diretoria também implemente o plano e estou muito satisfeito por Guido Kerkhoff, juntamente com os seus colegas de diretoria, ter assumido esta responsabilidade. O Conselho de Supervisão apoiará de forma construtiva a Diretoria Executiva na implementação desta nova estrutura. Em nome do Conselho de Supervisão, gostaria de expressar os meus agradecimentos a Markus Grolms pela sua gestão prudente e determinada dos assuntos do Conselho de Supervisão nos últimos meses”.

Bernhard Pellens é membro do Conselho de Supervisão da thyssenkrupp AG desde 2005. É professor de Administração de Empresas e Contabilidade Internacional na Universidade Ruhr de Bochum e Professor Honorário da Universidade de Tongji em Xangai. Pellens é vice-presidente da Schmalenbach-Gesellschaft Business Economics Society.

O Comitê de Nomeação continua seu processo estruturado para buscar os dois membros restantes do Conselho de Supervisão.

Produtos e soluções Dec 4, 2019 10:07 AM

thyssenkrupp é reconhecida pela GM em premiação de fornecedores

A thyssenkrupp está entre os principais fornecedores da América do Sul da General Motors com sua divisão Steering. O reconhecimento foi recebido na última quinta-feira (28/11) durante a premiação Supplier Quality Excellence Award, realizada pela montadora em Indaiatuba (SP). Este é o segundo ano consecutivo que a empresa recebe o prêmio. No ano passado, a unidade Springs & Stabilizers foi reconhecida pela GM.

Nesta 7ª edição do prêmio, a montadora reconheceu 62 empresas fornecedoras da região sul-americana que atingiram altos níveis de qualidade no ano de 2018. A avaliação leva em conta 13 critérios específicos de performance e qualidade, como, pontualidade na entrega, prover componentes e/ou subsistemas dentro das métricas de qualidade requeridas, ter um sistema adequado de gerenciamento de programas, entre outros.

“Estamos muito felizes com mais este prêmio. Sermos reconhecidos pelo trabalho desempenhado junto ao cliente é um motivo de orgulho e nos mostra que a inovação em tecnologia de direção veicular, a excelência em qualidade e a segurança dos produtos thyssenkrupp nos coloca em posição de destaque para atender aos futuros desafios da indústria automotiva”, afirma Luciano Farias, CEO da divisão Steering da thyssenkrupp no Brasil.

A unidade Steering no Brasil fabrica sistemas de direção automotiva na planta de São José dos Pinhais (PR). No último ano, ampliou seu portfólio com a produção de sistemas de direção elétrica, também conhecido como EPS (Electronic Power-Assisted Steering), que são essenciais para o desenvolvimento de soluções para carros semiautônomos e autônomos.

Globalmente, a thyssenkrupp se tornou uma das principais fabricantes de sistemas de direção elétrica. Em seus centros de inovação na Europa, a empresa tem desenvolvido tecnologias para os carros do futuro como, por exemplo, sistemas steer-by-wire que abrem caminho para novas arquiteturas do interior dos carros e maior conforto aos passageiros. Na área de direção autônoma, a empresa também tem trabalhado com inteligência artificial, em parceria com a IBM, para aprimorar a experiência ao volante e a segurança na condução.

A thyssenkrupp e a indústria automotiva

A thyssenkrupp é um dos maiores fornecedores globais de materiais e componentes para a indústria automotiva. Nove em cada dez veículos fabricados no Brasil são equipados com componentes produzidos pela empresa. Além disso, um em cada três caminhões possui componentes da thyssenkrupp.

O portfólio de produtos que a thyssenkrupp fornece à indústria automotiva inclui componentes para motor (eixos de comando de válvulas montados, módulos de cabeçote do cilindro e virabrequins), componentes de suspensão (sistemas de direção, amortecedores, molas e barras estabilizadoras) e serviços de montagem (módulos de eixo).

No Brasil, a companhia possui plantas automotivas em Ibirité, Poços de Caldas e Santa Luzia (MG); São José dos Pinhais (PR); Campo Limpo Paulista e São Paulo (SP).

No ano fiscal 2018/2019, as vendas globais da thyssenkrupp para o setor automotivo somaram cerca de 10,8 bilhões de euros. Entre os clientes estão praticamente todas as grandes montadoras do mundo.

Sobre a thyssenkrupp

A thyssenkrupp é um grupo de tecnologia com vasta experiência em materiais. Mais de 162.000 colaboradores trabalham em 78 países com paixão e conhecimento tecnológico para desenvolver produtos de alta qualidade, processos industriais inteligentes e serviços para o progresso sustentável. Suas competências e empenho são a base do nosso sucesso. No ano fiscal de 2018/2019, a thyssenkrupp obteve o faturamento global de €42 bilhões.

Desenvolvendo negócios no Brasil desde 1837, a thyssenkrupp emprega mais de 8 mil colaboradores em todas as regiões do país nos segmentos automotivo, energia, infraestrutura, mineração, cimento, construção civil, química, petroquímica e defesa. Na América do Sul, a empresa contabilizou durante o ano fiscal 2018/2019 o faturamento de €1.1 bilhão.

Corporativo Mar 5, 2020 6:30 PM

thyssenkrupp, Embraer e Atech assinam o contrato de construção dos Navios Classe Tamandaré da Marinha do Brasil

Nesta quinta-feira (5/3), no Rio de Janeiro, a EMGEPRON, empresa estatal independente vinculada ao Ministério da Defesa por intermédio do Comando da Marinha do Brasil, e a Águas Azuis, empresa formada pela thyssenkrupp Marine Systems, Embraer Defesa & Segurança e Atech, assinaram o contrato para a construção dos quatro navios Classe Tamandaré de última geração, com entrega prevista entre 2025 e 2028.

A construção será realizada 100% no Brasil, em Itajaí (SC), com expectativa de taxas de conteúdo local acima de 30% para o primeiro navio e de 40% para os demais. A thyssenkrupp fornecerá a tecnologia naval de sua comprovada plataforma de construção de navios de defesa da Classe MEKO®, que já opera em 15 países. A Embraer integrará sensores e armamentos ao sistema de combate, incorporando ao programa seus 50 anos de experiência em soluções de tecnologia de sistemas e suporte em serviço.

A Atech, uma empresa do Grupo Embraer especializada em engenharia de sistemas para aplicações de Defesa, será a fornecedora do CMS (Combat Management System) e do IPMS (Integrated Platform Management System, da L3 MAPPS) e receptora de transferência de tecnologia em cooperação com a ATLAS ELEKTRONIK, subsidiária da thyssenkrupp Marine Systems que produz o CMS e sistemas de sonar.

“Somos gratos em poder participar novamente de um marco tão importante na história da defesa naval do Brasil com os navios mais avançados em sua classe. Relembramos as grandes conquistas que tivemos, desde a construção dos submarinos da Classe Tupi na década de 1980, e este é o reconhecimento da excelência tecnológica, confiabilidade e longevidade das soluções que oferecemos há quase dois séculos. O Programa Classe Tamandaré irá fortalecer nossos laços, por meio da transferência de tecnologia e da geração de empregos altamente qualificados para o país”, afirma Dr. Rolf Wirtz, CEO da thyssenkrupp Marine Systems.

“Essa parceria valida os esforços para expandir nosso portfólio de defesa e segurança além do segmento aeronáutico. Nos últimos anos, adquirimos experiência no desenvolvimento e na integração de sistemas complexos, entre outros, a fim de tornar a Embraer qualificada para atender às necessidades da Marinha do Brasil, além de fortalecer nossa posição como parceiro estratégico do Estado Brasileiro”, diz o CEO da Embraer Defesa & Segurança, Jackson Schneider.

Além da construção, o contrato inclui uma robusta transferência de tecnologia em engenharia naval para fabricação de navios militares e sistemas de gerenciamento de combate e de plataforma, bem como o apoio logístico integrado e o gerenciamento do ciclo de vida das embarcações.

O Programa Classe Tamandaré tem potencial de gerar empregos diretos e indiretos de alta qualificação. Prevê um sólido modelo de parceria nacional com habilidade comprovada de transferência de tecnologia e de qualificação de mão de obra local, o que garante o desenvolvimento de futuros projetos estratégicos de defesa no Brasil.

A aliança naval entre a thyssenkrupp Marine Systems e a Embraer Defesa & Segurança também permitirá criar bases para a exportação de produtos de defesa naval a partir do Brasil.

MEKO®: o autêntico navio para águas azuis

Os novos navios multimissão serão baseados nas soluções comprovadas de construção naval da Classe MEKO® da thyssenkrupp Marine Systems, já utilizada em 82 embarcações em operação em Marinhas de 15 países, entre eles Portugal, Grécia, Austrália, Argentina e Argélia. O conceito exclusivo MEKO® de design modular facilita a integração local e a transferência de tecnologia, ajudando a reduzir os custos de manutenção e modernização. Combinando tecnologia de ponta, inovação e capacidades robustas de combate, a Classe MEKO® é um autêntico navio-escolta para águas azuis com qualidades excepcionais de autonomia e robustez.

Sobre a Águas Azuis

Águas Azuis é uma sociedade de propósito específico estabelecida entre a thyssenkrupp Marine Systems, a Embraer Defesa & Segurança e a Atech, subsidiária da Embraer, para a construção dos quatro novos navios Classe Tamandaré, a fim de ampliar e modernizar a esquadra da Marinha do Brasil. Ela terá forte presença no país e conta com a sólida experiência das suas empresas controladoras em diversas áreas.

As empresas integrantes têm um sólido e longo histórico de relacionamento, além de forte presença em diversos países. Líder da parceria naval Águas Azuis, a thyssenkrupp Marine Systems, empresa do Grupo thyssenkrupp, é um dos fornecedores líderes mundiais de sistemas para submarinos e embarcações de superfície naval, bem como tecnologias de segurança marítima com histórico secular de construção naval. A Embraer Defesa & Segurança, unidade de negócio da Embraer, está presente em mais de 60 países e é líder na indústria aeroespacial e de defesa na América Latina.

A Atech, subsidiária da Embraer, desenvolve soluções inovadoras para controle de tráfego aéreo, sistemas de comando e controle, segurança cibernética, sistemas de instrumentação e controle, sistemas embarcados, simuladores e logística. Também atua em outros projetos estratégicos da Marinha do Brasil, como o LABGENE (laboratório de geração de energia nuclear), para o qual desenvolve sistemas de Controle e Proteção e o sistema tático de missões de combate para o H225M/H-XBR SUPER COUGAR da Marinha do Brasil.

Produtos e soluções Feb 15, 2019 3:00 PM

Embaixador alemão visita Estaleiro Oceana e reforça apoio ao Consórcio Águas Azuis

  • Dr. Georg Witschel participou de mesa redonda promovida no último dia 14, em Itajaí, com executivos da thyssenkrupp, da Embraer, do Oceana e de entidades empresariais locais

O Embaixador da Alemanha no Brasil, Dr. Georg Witschel, visitou nesta quinta-feira (14/02) as instalações do Estaleiro Oceana, situado em Itajaí (SC). Acompanhado pelo Adido da Indústria de Defesa da Embaixada, Patrick Stotz, e pelo Cônsul Geral da Alemanha em Porto Alegre, Dr. Thomas Schmitt, participou de uma mesa redonda promovida pelo Consórcio Águas Azuis na qual foi apresentada a proposta do consórcio para o Programa CCT (Corvetas Classe Tamandaré) da Marinha do Brasil.

Estavam presentes no encontro Joachim Schoenfeld, head de vendas regionais da thyssenkrupp Marine Systems; Johan Paul Kempers e Marcelo Martins, respectivamente, diretor executivo e diretor técnico do Estaleiro Oceana; Rafael Gustavo Fassina Marques, gerente de desenvolvimento de negócios da Embraer Defesa & Segurança; Cesar Augusto Olsen, presidente do COMDEFESA – Comitê da Indústria de Defesa de Santa Catarina; Fabricia Lemser Martins, diretora jurídica da FIESC – Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina; Rafael Digo Theiss e Leonardo Campos Freitas, respectivamente, executivo sindical e presidente do Sinconavin – Sindicato das Indústrias da Construção Naval de Itajaí e Navegantes; e Úrsula Tuma, gerente executiva da ABIMAQ Joinville – Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos.

Um dos mais modernos estaleiros do Brasil, o Oceana atuará como estaleiro construtor no caso de o Consórcio Águas Azuis vencer a concorrência para o programa das CCT da Marinha do Brasil. “O Estaleiro Oceana é uma referência em construção naval. Já construiu várias embarcações com tecnologia de ponta e seu know-how e profissionais especializados garantem alta produtividade e elevados padrões de qualidade”, afirma Joachim Schoenfeld, da thyssenkrupp Marine Systems.

A thyssenkrupp Marine Systems, a Embraer Defesa & Segurança e o Estaleiro Oceana estão atuando em conjunto para promover o compartilhamento de expertise e know-how de engenharia e construção naval, fomentando a sinergia entre profissionais da Alemanha e do Brasil. Isso já se configura como uma preparação para um processo de transferência de tecnologia (ToT) entre os dois países, requisito fundamental na construção das corvetas da Classe Tamandaré.

Schoenfeld acrescenta que o Oceana tem capacidade para construir embarcações navais para várias aplicações. “Nosso relacionamento com o estaleiro é tão sólido e transparente que nos possibilita, desde já, organizar os processos de ToT para que os mesmos sejam iniciados se formos os vencedores do processo de licitação”.

“Entrar no seleto grupo de estaleiros capazes de construir e entregar embarcações de defesa representa um desafio que estamos entusiasmados em enfrentar. Contando com parceiros do porte e da qualidade de empresas como a thyssenkrupp e Embraer, e com a equipe que conseguimos reunir, temos muita confiança no sucesso desta empreitada. Representa ainda um grande estímulo para todos da equipe Oceana sabermos que o sucesso neste projeto poderá trazer para o nosso estaleiro, para a nossa cidade e para o nosso estado novos contratos para a Marinha do Brasil em um futuro próximo”, disse o diretor executivo do estaleiro Oceana, Johan Paul Kempers.

Os Estaleiros Aliança e Oceana, empresas do grupo CBO, têm mais de 20 anos em construção naval. O primeiro está localizado em Niterói – RJ, onde fica a sede da companhia, e o Oceana em Itajaí (SC), região com forte vocação para a construção naval e amparada por um parque industrial expressivo no estado de Santa Catarina. Com 310.000 metros quadrados, o Oceana tem capacidade para construir várias embarcações por ano, aplicando os mais recentes processos de construção naval em instalações de tecnologia de última geração.

O Consórcio Águas Azuis apresentou à Marinha do Brasil uma proposta baseada no conceito da classe MEKO®, referência mundial por meio de soluções comprovadas em construção naval. Seu design modular facilita a integração local e a transferência de tecnologia, ajudando a reduzir os custos de aquisição, manutenção e modernização.

Formado pela thyssenkrupp Marine Systems e pela Embraer Defesa & Segurança, o Consórcio Águas Azuis é uma sólida parceria nacional com capacidade comprovada de absorver tecnologia e garantir seu desenvolvimento não apenas para o Programa CCT, mas também para projetos estratégicos futuros de defesa no Brasil.

A Atech, subsidiária da Embraer, fornecerá o Sistema de Gerenciamento de Combate (CMS) dos navios em estreita cooperação com a Atlas Elektronik, subsidiária da thyssenkrupp Marine Systems. Está previsto que a engenharia e o software da Atlas Elektronik apoiem e desenvolvam a engenharia local, equipamentos, integração de sistemas e gerenciamento de projetos pela Atech.

A thyssenkrupp desenvolve negócios no Brasil há mais de 180 anos e a Embraer completará, em 2019, 50 anos de fundação.

Mais informações em www.consorcioaguasazuis.com.br.

Sobre a thyssenkrupp Marine Systems

A thyssenkrupp Marine Systems é um dos principais fornecedores mundiais de sistemas para embarcações de superfície naval e submarinos, bem como de tecnologias de segurança marítima. Com quase 5.500 colaboradores em todo o mundo, a empresa oferece competência, tecnologias inovadoras e um serviço abrangente e confiável. Com suas divisões de submarinos, embarcações de superfície, sistemas e serviços eletrônicos navais, a thyssenkrupp Marine Systems faz parte do grupo thyssenkrupp.

Sobre a Atlas Elektronik

A Atlas Elektronik Group oferece soluções marítimas e navais para navegação de superfície e submarina. A empresa ocupa uma posição de liderança em todos os campos da alta tecnologia marítima, o que inclui desde sistemas de comando e controle, sistemas de rádio e comunicação para submarinos e navios de superfície, sistemas de minas até torpedos pesados, sistemas de vigilância costeira e suporte em serviços. A Atlas estabeleceu um portfólio mundial de clientes. Especialista em eletrônica, é uma empresa da thyssenkrupp e conta com uma força de trabalho de cerca de 2.200 colaboradores altamente qualificados.

Sobre a thyssenkrupp

A thyssenkrupp é uma empresa industrial diversificada com ampla tradição no mercado de materiais e participação crescente no setor de bens de capital e serviços. Visando sempre o progresso sustentável, a empresa conta com mais de 161.000 colaboradores, em 78 países, que atuam com paixão e experiência tecnológica no desenvolvimento de produtos de alta qualidade, bem como em processos e serviços inteligentes para a indústria. Competência e comprometimento são a base de nosso sucesso. No ano fiscal de 2017/2018, a thyssenkrupp obteve o faturamento global de aproximadamente 42,7 bilhões de euros. Desenvolvendo negócios no Brasil desde 1837, a thyssenkrupp emprega mais de 8 mil colaboradores em todas as regiões do país nos segmentos automotivo, energia, infraestrutura, mineração, cimento, construção civil, química, petroquímica e defesa.

Sobre a Embraer Defesa & Segurança

A Embraer Defesa & Segurança é líder na indústria aeroespacial e de defesa da América Latina. Além das aeronaves A-29 Super Tucano, de ataque leve e treinamento avançado, e KC-390, de transporte militar multimissão, oferece uma linha completa de soluções integradas e aplicações de Comando e Controle (C4I), radares, ISR (Inteligência, Vigilância e Reconhecimento) e espaço. Isso inclui sistemas integrados de informação, comunicação, monitoramento e vigilância de fronteiras, bem como aeronaves para transporte de autoridades e missões especiais. Com crescente atuação no mercado global, os produtos e soluções da Embraer Defesa & Segurança estão presentes em mais de 60 países.

Sobre a Atech

Reconhecida como uma “System House” brasileira, a Atech sempre se pautou pela inovação com o objetivo de ajudar a transformar o país. Com uma expertise única em engenharia de sistemas e tecnologias de consciência situacional e apoio a tomada de decisão, a Atech trabalha no desenvolvimento de soluções inovadoras com aplicações nas áreas de tráfego aéreo, sistemas de comando e controle, segurança cibernética, sistemas de instrumentação e controle, sistemas embarcados, simuladores e logística. A empresa é responsável pelo desenvolvimento e modernização de todo o sistema para o gerenciamento e defesa do espaço aéreo brasileiro. Pela sua atuação, a companhia é reconhecida e foi certificada como Empresa Estratégica de Defesa pelo Ministério da Defesa do Brasil.

Sobre o Oceana Estaleiro

Com cerca de 310 mil metros quadrados, o Oceana Estaleiro está localizado em Itajaí, Santa Catarina, uma região com forte vocação para a construção naval. Moderno, utiliza tecnologia de ponta e apresenta precisão técnica em todos os processos, seguindo os padrões e regras internacionais de gestão de qualidade em todas as etapas da construção. Com capacidade de construção de quatro a seis navios por ano, o estaleiro conta com o reconhecimento do setor offshore.

Sobre o Grupo CBO

O Grupo CBO tem seu foco na navegação de apoio marítimo, incluindo a operação de embarcações de apoio offshore de médio porte, como Platform Supply Vessels (PSVs), Anchor Handling Tug Supply (AHTS), Oil Spill Recovery Vessels (OSRVs) e Inspetion, Maintenance and Repair Vessels (IMRs), além de operar dois estaleiros, um no estado do Rio de Janeiro e outro em Santa Catarina.

A empresa conta com executivos com larga experiência no setor, e com os mais altos princípios de Segurança, Meio Ambiente e Saúde, e eficiência operacional, além de programas de prevenção de acidentes - alinhados com os altos padrões de qualidade e processos de seus controladores.

Com um forte plano de investimentos, o Grupo CBO busca figurar entre os líderes da indústria, crescendo sua frota em número e teor tecnológico, sempre mantendo seu compromisso com a indústria nacional.

Corporativo Dec 13, 2019 10:00 AM

Artigo da thyssenkrupp sobre potencial energético da biomassa no Brasil é destaque no Canal Energia

O Canal Energia, um dos veículos especializados em energia mais relevantes do País, publicou nesta segunda-feira (9/12) artigo de Fernando Malaquias Costa, engenheiro de energia na thyssenkrupp Industrial Solutions, intitulado “Biomassa: riqueza energética nacional”. O texto fala sobre o potencial da geração de energia a partir da biomassa.

No Brasil, a thyssenkrupp oferece, desde a tecnologia de caldeiras preparadas para a queima de biomassa para geração de eletricidade a partir de energia mecânica, até projetos do tipo EPC (Engineering, Procurement and Construction) e consultoria para o financiamento dos projetos de construção de uma usina de cogeração de energia.

“Vemos um grande potencial para este mercado no Brasil, dada a importante produção agrícola e de papel e celulose, por exemplo, bem como, a facilidade de se instalar usinas termelétricas a biomassa perto de seus centros consumidores. Neste aspecto, a geração de energia a partir de biomassa se diferencia, positivamente, em relação à geração hidrelétrica, que demanda redes complexas de transmissão”, explica Fernando Costa.

Confira a íntegra do artigo publicado no Canal Energia:

https://www.canalenergia.com.br/artigos/53120520/biomassa-riqueza-energetica-nacional

Corporativo Jan 14, 2020 8:00 AM

Desempenho positivo do Brasil contribui para os resultados da thyssenkrupp na América do Sul

  • Todas as áreas de negócio no Brasil reportaram crescimento acima da média de mercado
  • Investimentos recentes em novas linhas de componentes automotivos começaram a gerar bons resultados
  • Crescimento também é impulsionado pelo aumento das exportações, recuperação dos mercados industriais e de mineração e crescimento em serviços

No ano fiscal 2018/2019, encerrado em 30 de setembro do último ano, a thyssenkrupp registrou crescimento acima da média de mercado em todas as áreas de negócio no Brasil, com aumento de lucro por dois anos consecutivos. Estes resultados se devem ao retorno dos investimentos recentes em fábricas de componentes automotivos, ao aumento nas exportações na área de elevadores e nos negócios automotivos, à recuperação dos mercados industriais e de mineração e ao crescimento geral em serviços.

O faturamento consolidado na América do Sul ficou estável em relação ao ano fiscal anterior, com vendas de €1,1 bilhão. O forte crescimento em todas as áreas de negócio da empresa no Brasil foi determinante para aumentar sua participação na região e equilibrar os resultados na América do Sul, compensando a redução nos demais países, influenciada pela finalização de grandes projetos industriais.

“As exportações representaram cerca de 20% do nosso faturamento no Brasil. A thyssenkrupp é uma das principais empresas alemãs em faturamento operando no País e a América do Sul é um mercado importante. Nos últimos anos, apostamos na diversificação para ampliar os negócios no País: trouxemos tecnologias para coqueria – que já vêm sendo aplicadas para uma usina siderúrgica da ArcelorMittal em Tubarão (ES) –, plantas de fertilizantes, e sistemas de direção elétrica, nos quais a thyssenkrupp é líder mundial. Além disso, investimentos em automação e em indústria 4.0 contribuem para nossa competitividade no mercado global”, destaca Paulo Alvarenga, CEO da thyssenkrupp para a região.

Automotivo

No ano fiscal 2018/2019, os investimentos em plantas industriais começaram a gerar bons resultados. A nova linha de sistemas de direção automotiva no Paraná obteve três novos contratos com montadoras com potencial de triplicar a sua produção nos próximos dois anos e expectativa de completar o investimento de R$ 50 milhões na planta até 2021. A fábrica de Minas Gerais, que funciona 100% com tecnologias digitais da Indústria 4.0, ampliou a linha de usinagem de tubos de eixo de comando de válvulas.

“Na região, alcançamos um nível avançado de eficiência operacional e produtividade com base em lean management e investimentos em automação e Indústria 4.0, posicionando a thyssenkrupp para atender clientes locais e competir no mercado global. Além disso, começamos a ver uma recuperação na produção de veículos com expectativas de crescimento de 2%, em 2019 e em 2020”, explica Alvarenga.

Elevadores

O faturamento da unidade de elevadores registrou crescimento impulsionado, principalmente, pelas exportações e novos projetos de infraestrutura, bem como pelo lançamento de soluções digitais e pelo crescimento da área de serviços. “Estamos começando a ver o aumento da demanda da construção civil. O estoque de unidades está diminuindo e notamos crescimento no lançamento de novos empreendimentos”, afirma Paulo Alvarenga.

Em 2019, a thyssenkrupp lançou no Brasil o MAX, solução de manutenção preditiva digital que utiliza sensores, IoT, computação em nuvem e inteligência artificial para o diagnóstico e a resolução de problemas técnicos nos elevadores, aumentando significativamente a disponibilidade dos equipamentos. Há planos de lançar a tecnologia em outros países, além de estendê-la a outros produtos, como, escadas rolantes e pontes de embarque.

Continua se destacando como uma das fornecedoras líderes em obras de infraestrutura aeroportuária. A empresa participou da ampliação dos aeroportos de Florianópolis/SC e Salvador/BA com a instalação de pontes de embarque, elevadores e escadas rolantes para garantir a mobilidade e conforto dos passageiros.

Soluções Industriais

Os negócios industriais no Brasil tiveram o crescimento – com novos pedidos – impulsionado, principalmente, por novos contratos no setor de mineração no Norte do País. O foco crescente no negócio de serviços industriais para aumentar a eficiência do cliente, além do recente centro de serviços que começou a operar no ano passado em Parauapebas (PA), foram as principais alavancas para o aumento do volume de negócios em serviços.

Iniciou 2019 com projetos importantes na área industrial, como o contrato de fornecimento da nova bateria de coque composta por 49 fornos da ArcelorMittal, no modelo de serviços EPC (Engineering, Procurement and Contruction), integrando tecnologias ambientais de ponta para a redução máxima de emissões.

“Vimos, claramente, uma forte recuperação dos investimentos no setor de mineração, à medida que outros segmentos industriais, como as fábricas de produtos químicos, continuam aumentando”, relata Alvarenga.

Naval

O Consórcio Águas Azuis, liderado pela thyssenkrupp Marine Systems, com a Embraer Defesa & Segurança e a Atech, foi selecionado como fornecedor preferencial para a construção de quatro navios de defesa da Classe Tamandaré para a Marinha Brasileira. O resultado, anunciado em março de 2019, representa um novo marco para a indústria naval e de defesa brasileira. O contrato final está sendo negociado exclusivamente.

Sobre a thyssenkrupp

A thyssenkrupp é um grupo de tecnologia com vasta experiência em materiais. Mais de 162.000 colaboradores trabalham em 78 países com paixão e conhecimento tecnológico para desenvolver produtos de alta qualidade, processos industriais inteligentes e serviços para o progresso sustentável. Suas competências e empenho são a base do nosso sucesso. No ano fiscal de 2018/2019, a thyssenkrupp obteve o faturamento global de €42 bilhões.

Desenvolvendo negócios no Brasil desde 1837, a thyssenkrupp emprega mais de 8 mil colaboradores em todas as regiões do país nos segmentos automotivo, energia, infraestrutura, mineração, cimento, construção civil, química, petroquímica e defesa. Na América do Sul, a empresa contabilizou durante o ano fiscal 2018/2019 o faturamento de €1.1 bilhão.

Corporativo Nov 21, 2018 10:00 AM

thyssenkrupp encerra o ano fiscal de 2017/18 com resultados sólidos e foca na melhoria de desempenho durante o processo de separação

• Crescimento sólido no volume de pedidos e vendas no ano fiscal de 2017/2018

• EBIT ajustado de €1,6 bilhão, abaixo do ano anterior (€1,7 bilhão)

• Economia significativamente superior ao planejado em quase €890 milhões: custos corporativos reduzidos em quase 30%

• Roadmap para separação foi apresentado

• Preparativos para joint venture de aço dentro do cronograma

• Previsão para 2018/2019: aumento do EBIT ajustado das operações continuadas

O grupo industrial e de tecnologia thyssenkrupp registrou um sólido crescimento no volume de pedidos e vendas, apesar dos efeitos cambiais negativos no ano fiscal de 2017/2018: os €42,8 bilhões em pedidos corresponderam ao nível do ano anterior, enquanto as vendas aumentaram ligeiramente. O EBIT ajustado chegou a €1,6 bilhão (ano anterior: €1,7 bilhão) e ficou, portanto, abaixo da previsão revisada, feita no final de julho. O lucro líquido de €60 milhões também caiu em relação ao ano anterior (€271 milhões). O fluxo de caixa livre (FCF) antes de fusões e aquisições mostrou uma melhora clara ano a ano, mas, como esperado, o valor do ano todo permaneceu negativo (€134 milhões).

Guido Kerkhoff, CEO da thyssenkrupp AG: “O último ano fiscal foi turbulento e desafiador para a thyssenkrupp. Iniciamos uma das maiores reestruturações da história da empresa. Ao mesmo tempo, identificamos potencial para novas melhorias em todos os nossos negócios, nas quais estamos agora trabalhando sistematicamente. Estamos totalmente comprometidos com nossas metas de desempenho. Medidas para alcançá-las foram acordadas com as áreas de negócios. Isso aumentará o desempenho da thyssenkrupp como um todo”.

Roadmap para a separação do Grupo apresentado

O Conselho Executivo apresentou hoje o roadmap para a separação anunciada do Grupo. Em setembro de 2018, a thyssenkrupp decidiu dividir o Grupo em duas empresas muito mais focadas e eficientes: com a thyssenkrupp Materials AG e thyssenkrupp Industrials AG, os negócios de materiais e bens de capital devem ser administrados como empresas independentes com acesso direto ao mercado de capitais. Além de reduzir a complexidade, a separação permitirá que as duas empresas, operando de forma independente umas das outras, respondam aos seus respectivos clientes e mercados de maneira mais rápida e eficaz e atendam investidores com interesses diferentes.

A thyssenkrupp pretende ter a separação aprovada pela Assembleia Geral Anual em janeiro de 2020. O relatório de cisão necessário para isso deve ser apresentado na conferência de imprensa anual no quarto trimestre de 2019. Para que isso aconteça, as duas empresas já devem estar operando como companhias separadas a partir de 1º de outubro de 2019. As nomeações para os dois times de gestão serão decididas no segundo trimestre de 2019.

Guido Kerkhoff: “Estamos convencidos de que nesta nova configuração, os negócios serão capazes de se desenvolver melhor e se concentrar em seus pontos fortes. Com o roadmap em andamento, vamos agora continuar com a separação do Grupo: daqui a um ano, nossas duas thyssenkrupps estarão prontas para um futuro em que sejam mais fortes, mais focadas e mais rápidas”.

A criação das estruturas para a separação do Grupo pesará sobre o lucro líquido e o fluxo de caixa livre no exercício fiscal de 2018/2019. Com base nos cálculos atuais, ainda provisórios, o Grupo espera custos na faixa alta de três dígitos de euros.

No entanto, após a conclusão da separação, a alavancagem de reservas ocultas terá um impacto positivo no patrimônio líquido e no balanço patrimonial.

Joint venture com a Tata dentro do cronograma

Com a assinatura do contrato de joint venture para combinar as atividades siderúrgicas europeias com a Tata Steel, a thyssenkrupp alcançou um importante marco no último ano fiscal. Os preparativos para o lançamento da joint venture estão em andamento. Paralelamente, os processos de controle da fusão estão sendo realizados pelas autoridades reguladoras. Além disso, a thyssenkrupp continua a trabalhar na estruturação do negócio de aço como uma entidade independente, preparando o caminho para a joint venture.

A contribuição das atividades siderúrgicas europeias na joint venture irá melhorar significativamente os principais índices de balanço da thyssenkrupp. Após o fechamento, espera-se que a transação tenha um efeito positivo no patrimônio e, portanto, também no lucro líquido do Grupo. Ao mesmo tempo, as obrigações de pensão do Grupo diminuirão em cerca de 50%.

Até o fechamento da joint venture, o Grupo espera que a Steel Europe (operação descontinuada) forneça uma contribuição positiva para o EBIT ajustado do Grupo. Ao mesmo tempo, espera-se que o aumento sazonal normal do capital de giro líquido pesará sobre o FCF num alcance de três milhões de euros.

Sólido desempenho no ano fiscal de 2017/2018

Apesar dos efeitos cambiais negativos, a entrada de pedidos do Grupo no ano fiscal de 2017/2018 correspondeu ao alto nível do ano anterior (€42,8 bilhões); ajustado para efeitos de moeda e portfólio, os pedidos cresceram 2%. Vendas aumentaram 3%, para €42,7 bilhões (ano anterior €41,4 bilhões). Em comparação, as vendas foram 5% maiores. Entre os negócios de bens de capital, a Components Technology apresentou um desempenho positivo, entre outros, com componentes de automóveis e componentes para caminhões pesados na Europa Ocidental e na China. A entrada de pedidos atingiu um novo recorde. A Elevator Technology também continuou seu desempenho positivo principalmente na América do Norte e manteve seu alto nível de pedidos no ano anterior. Os pedidos da Industrial Solutions, negócio baseado em projetos, caíram devido a uma desaceleração na conquista de projetos. Nos negócios de materiais, tanto a Materials Services como a Steel Europe lucraram com preços estáveis e elevados nos mercados de materiais.

O EBIT ajustado do Grupo em €1.511 milhão caiu em relação ao ano anterior (€1.722 milhão). Na área de bens de capital, a situação inadequada dos pedidos e as despesas de projeto da Industrial Solutions no 3º trimestre pesaram sobre os lucros (queda de €366 milhões para €(255) milhões). Na Components Technology, as provisões para questões de qualidade, efeitos cambiais negativos e o aumento dos custos de material ao longo do ano impactaram os resultados (queda de 48%, para €197 milhões). Este último também resultou em lucros menores que o esperado na Elevator Technology (queda de 6%, para €866 milhões). Os negócios de materiais registraram ganhos positivos, reflexo de preços estáveis e elevados nos mercados de materiais. Materials Services melhorou ligeiramente os lucros registrados no ano anterior (aumento de 2%, para € 317 milhões). A Steel Europe registrou um forte aumento nos lucros, embora as restrições de produção causadas pelos baixos níveis de água no Reno e o declínio dos embarques devido a novos padrões de emissões na indústria automobilística tenham impactado os lucros no último trimestre (aumento de 26%, para €687 milhões). Custos corporativos melhoraram, ficando abaixo de €400 milhões (queda de 29%, para €(377) milhões com EBIT ajustado). As medidas para reduzir os custos com G&A do Grupo foram implementadas consideravelmente mais rápido do que o planejado. O programa de eficiência “impacto” contribuiu significativamente, portanto, para os lucros no ano fiscal passado: com os efeitos do EBIT de €890 milhões, a economia novamente superou a meta do Grupo, que era de €750 milhões.

Com €60 milhões, o lucro líquido ficou abaixo do nível do ano anterior (€271 milhões). Juntamente com o desempenho operacional do Grupo, isso reflete uma provisão para riscos antitruste. Impactos adicionais resultaram do único passivo fiscal reconhecido em junho em conexão com a joint venture, enquanto a receita líquida de juros melhorou.

Os Conselhos Executivo e Fiscal propõem à Assembleia Geral Ordinária, em 1º de fevereiro de 2019, a distribuição de um dividendo de €0,15 por ação para o ano fiscal 2017/2018.

O fluxo de caixa livre, antes de fusões e aquisições, melhorou nitidamente em relação ao ano anterior (€855 milhões), mas o valor do ano, como um todo, permaneceu negativo (€(134) milhões), principalmente devido à menor entrada de pedidos e altos gastos com pedidos em andamento na Industrial Solutions. O forte quarto trimestre, com entradas de caixa positivas em todas as áreas de negócios, não conseguiu compensar esses efeitos.

Consequentemente, a dívida financeira líquida do Grupo de €2,4 bilhões foi maior que a do ano anterior (€2,0 bilhões). Tendo em conta a liquidez disponível de €6,6 milhões e a estrutura de vencimento equilibrada, a thyssenkrupp permanece solidamente financiada.

O patrimônio do Grupo diminuiu no período de €3,4 bilhões para €3,3 bilhões. Os efeitos positivos incluíram, particularmente, o lucro líquido alcançado. Os efeitos negativos vieram de perdas na conversão de moeda e do nível mais baixo da taxa de juros, o que exigiu uma reavaliação das obrigações de pensão.

Previsão para 2018/2019

A thyssenkrupp está cautelosa, mas otimista, em relação ao ano fiscal de 2018/2019. O Grupo pretende alcançar o EBIT ajustado das operações continuadas de mais de €1 bilhão (2016/2017: €706 milhões), com o apoio dos programas iniciados para melhorar o desempenho em todas as áreas de negócio. Como resultado da melhoria nos lucros, o FCF antes das fusões e aquisições das operações continuadas deve melhorar significativamente em relação ao período anterior, mas permanecerá negativo no geral (2017/2018: €(678) milhões). O progresso dependerá principalmente da entrada de pedidos e perfis de pagamento de grandes projetos individuais na Marine Systems.

O lucro líquido do Grupo deve crescer significativamente em relação ao ano anterior (2016/2017: €60 milhões). Espera-se que as despesas com os preparativos para separar o Grupo sejam claramente superadas pelas melhorias de resultados nas operações contínuas e pelos efeitos positivos associados ao fechamento da joint venture de aço.

Produtos e soluções Mar 25, 2019 4:00 PM

thyssenkrupp Marine Systems apresenta suas soluções navais na LAAD 2019

  • Empresa alemã apresenta portfólio completo para Submarinos, Embarcações Navais de Superfície e Equipamentos de Defesa Marítima

  • Evento acontece de 2 a 5 de abril, no Rio de Janeiro

A thyssenkrupp Marine Systems será uma das principais expositoras da LAAD Defence & Security - Feira internacional de Defesa e Segurança, um dos maiores e mais importantes eventos do setor na América Latina. A feira reúne fabricantes e fornecedores de tecnologias para as Forças Armadas e Forças Especiais, além de gestores de segurança de grandes corporações, concessionárias de serviços e infraestrutura crítica.

Considerada uma das principais fornecedoras de sistemas navais do mundo, a thyssenkrupp Marine Systems apresentará suas soluções para Submarinos, Embarcações Navais de Superfície e Equipamentos de Defesa Marítima que são reconhecidos por sua excelência tecnológica, confiabilidade e longevidade.

Atualmente, a empresa é integrante do Consórcio Águas Azuis, em parceria com a Embraer Defesa & Segurança e a Atech, que está participando da licitação do Programa CCT – Corvetas Classe Tamandaré, cujo resultado deve ser anunciado este mês.

Tecnologia confiável

Entre os destaques da companhia estão as embarcações navais de superfície, como as fragatas das Classes 123, 124 e 125, bem como as corvetas e fragatas da Classe MEKO®, que apresentam design robusto, modular e inovador, comprovado em décadas de serviço em Marinhas em todo o mundo.

Com mais de 100 anos de experiência e de tecnologia de ponta em submarinos (incluindo propulsão baseada em célula de combustível, não dependente de ar), a thyssenkrupp fornece submarinos altamente capacitados e furtivos para 27 Marinhas, que operam nos ambientes mais extremos do mundo.

Referência mundial por meio de soluções comprovadas no setor de construção naval, a classe MEKO® oferece robustez excepcional, melhor estabilidade a danos, adaptabilidade de missão, alta capacidade de combate e manutenção em mar, maior durabilidade e menor custo de vida útil por meio de uma filosofia de projeto diferenciada.

Com cinco gerações de fragatas e corvetas, a classe MEKO® é um dos mais revolucionários conceitos da construção naval mundial. Graças à iteração de projeto, as melhores características de design de cada classe evoluem para a próxima, garantindo que as novas gerações de navios tenham tecnologia, materiais e padrões sólidos e consolidados.

Desde o início dos anos 1980, 82 fragatas e corvetas classe MEKO® já foram entregues a Marinhas de 14 países. Dessas, 37 foram construídas fora da Alemanha, no país do contratante, o que atesta a sólida expertise da thyssenkrupp em transferência de tecnologia e cooperação com estaleiros e outros fornecedores locais.

Outro destaque da thyssenkrupp Marine Systems no evento serão as soluções de sua subsidiária ATLAS ELEKTRONIK, fornecedora global de tecnologias de última geração para o mercado de embarcações marítimas, sendo mundialmente reconhecida por seus sistemas sonares de navegação e sistemas de combate (CMS – Combat Management System).

A LAAD Defence & Security – Feira Internacional de Defesa e Segurança – acontece entre os dias 2 e 5 de abril e será realizada no Riocentro – Av. Salvador Allende, 6.555, Barra da Tijuca, Rio de Janeiro. O estande da thyssenkrupp é o M.34, situado no Pavilhão 3.

Relacionamento de longo prazo com o Brasil

Incorporado à Marinha do Brasil em 1987, o primeiro submarino da classe Tupi foi construído no estaleiro da thyssenkrupp Marine Systems em Kiel, na Alemanha. Após esse primeiro submarino, outras quatro unidades – Tamoio, Timbira, Tapajó e Tikuna – foram construídas no Arsenal de Marinha, no Rio de Janeiro, com base no design e na tecnologia da thyssenkrupp.

Essas embarcações ainda estão em operação e são de fundamental importância para o patrulhamento da costa brasileira. Fizeram parte também do primeiro projeto do ciclo de estratégia "Design, Construção e Reparos", um amplo conceito de transferência de tecnologia (ToT) e know-how para a Marinha do Brasil bem como para a indústria naval brasileira.

A thyssenkrupp Marine Systems participou ainda do projeto da Corveta Classe Barroso (1994 - 2009) fornecendo um pacote de materiais para a Marinha do Brasil. Este navio foi construído no Arsenal de Marinha com base na classe de corvetas Inhaúma. No caso da Barroso, várias melhorias foram incorporadas, como maior comprimento, capacidade C3 melhorada, capacidade de helicóptero, furtividade e discrição aprimoradas e melhores atributos de navegabilidade. A configuração de armas e sensores também foi aprimorada.

Sobre a thyssenkrupp Marine Systems

A thyssenkrupp Marine Systems é um dos principais fornecedores mundiais de sistemas para submarinos e embarcações de superfície naval, bem como para tecnologias de segurança marítima. Com quase 5.500 colaboradores, a empresa tem um histórico de construção naval que remonta a séculos e oferece tecnologias de ponta, inovações e serviços abrangentes e confiáveis para clientes em todo o mundo. Com suas Unidades Operacionais de Submarinos, Embarcações de Superfície e Sistemas e Serviços Eletrônicos Navais, a thyssenkrupp Marine Systems faz parte do Grupo thyssenkrupp.

Sobre a ATLAS ELEKTRONIK

A ATLAS ELEKTRONIK Group oferece soluções de sistemas marítimas e navais para meios de superfície, submarinos e costeira. A empresa ocupa uma posição de liderança em todos os campos da alta tecnologia marítima, o que inclui desde sistemas de comando e controle para submarinos e navios de superfície, sonares e sensores, sistemas de minas e antiminas, torpedos pesados, sistemas de vigilância costeira e suporte em serviços. A ATLAS estabeleceu um portfólio mundial de clientes. Especialista em eletrônica naval, é uma empresa da thyssenkrupp e conta com uma força de trabalho de cerca de 2.200 colaboradores altamente qualificados.

Sobre a thyssenkrupp

A thyssenkrupp é uma empresa industrial diversificada com ampla tradição no mercado de materiais e participação crescente no setor de bens de capital e serviços. Visando sempre o progresso sustentável, a empresa conta com mais de 161.000 colaboradores, em 78 países, que atuam com paixão e experiência tecnológica no desenvolvimento de produtos de alta qualidade, bem como em processos e serviços inteligentes para a indústria. Competência e comprometimento são a base de nosso sucesso. No ano fiscal de 2017/2018, a thyssenkrupp obteve o faturamento global de aproximadamente 42,7 bilhões de euros.

Desenvolvendo negócios no Brasil desde 1837, a thyssenkrupp emprega aproximadamente 8 mil colaboradores em todas as regiões do país nos segmentos automotivo, energia, infraestrutura, mineração, cimento, construção civil, química, petroquímica e defesa. Por dois anos consecutivos, a empresa figura entre as cinco mais inovadoras em bens de capital pelo ranking Valor Inovação, realizado pelo jornal Valor Econômico em parceria com a PwC.

Produtos e soluções Feb 11, 2020 8:00 AM

thyssenkrupp coloca colaboradores no centro da estratégia de inovação com programa de melhoria contínua

  • Programa Fábrica de Soluções da unidade Springs & Stabilizers aprimora processos fabris ao mesmo tempo em que identifica e desenvolve o potencial de seus profissionais

A unidade de negócios Springs & Stabilizers da thyssenkrupp fabrica em suas duas plantas, em São Paulo (SP) e Ibirité (MG), molas e barras estabilizadoras para veículos de diversos portes. Por se tratar de componentes essenciais de segurança em carros e caminhões, a qualidade e a inovação nos processos fabris são chave para a liderança da empresa na indústria automotiva.

O grupo alemão preza por inovar nas tecnologias que produz para o mercado e, em 2011, a unidade deu um passo adiante para inserir os